quarta-feira, 1 de abril de 2009

Loucura religiosa mata bebê nos EUA


Sei que já escrevi em posts recentes sobre violência de menores e contra menores. Não queria tocar novamente em um assunto que mexe bastante comigo. Mas uma notícia como essa não dá pra passar em branco.

Até onde vai a loucura de uma pessoa por conta de seitas?

A jovem Ria Ramkissoon, de 22 anos, assumiu ser culpada pela morte do filho de uma e quatro meses. Por não dizer “amém” antes das refeições, a criança deixou de ser alimentada pela mãe. Este “mandamento” teria partido da
 líder da seita 1 Mind Ministries, Queen Antoinnette.

Ria foi condenada a 20 anos de prisão, mas pode ter a pena reduzida caso testemunhe contra os membros da seita. Mas a jovem insistiu para que a justiça reduzisse sua pena caso ela
 conseguisse ressuscitar o bebê. “Isto é um claro indicativo de que ela ainda é vítima deste culto”, afirma o advogado de Ramkissoon, Steve Silverman.

Depois da morte da criança, Queen ordenou seus seguidores a rezarem enquanto o bebê estava em um sofá e a mãe dançando ao redor do corpo. Ria teria rezado por mais de um ano ao lado da criança. O cadáver foi encontrado em abril de 2008.

O julgamento de Antoinette, de 40 anos, e de outros três membros do culto estava marcado para a segunda-feira, mas foi adiado porque eles não têm representantes legais.

"Deus é meu defensor", teria dito a líder da seita.

Um comentário:

Anandha disse...

nossa que loucura... a partir de fatos como esse é que se percebe que falta tanto incentivo à cultura/política/educação no mundo, que as pessoas entregam seu tempo em ceitas, rituais, e outras variedades de coisas, fora de bom censo.

:S fico de cara...