segunda-feira, 9 de março de 2009

Nem os corinthianos aguentarão ver o gol de Ronaldo

Tenho recebido algumas reclamações dos meus poucos leitores. Eles afirmam que eu só crio postagem para criticar e falar mal das pessoas. Ok! Juro que tentarei nesse post ser o menos amargo possível, como me chamaram alguns.

Um assunto que irá preencher todos programas, esportivos e não esportivos, durante toda esta semana, quem sabe todo este mês e ano, será a partida de Ronaldo Nazário pelo Corinthians contra seu maior rival o Palmeiras.

O time alvinegro perdia o jogo por 1 x 0 até os
minutos finais de jogo. Aí foi que brilhou a estrela do jogador que já foi eleito três vezes pela FIFA como melhor jogador do mundo. Ronaldo, que já tinha feitos boas jogadas desde que entrou no segundo tempo (inclusive mandando uma bola na trave), marcou o gol de empate da partida, seu primeiro gol com a camisa corinthiana. Depois disso, o craque literalmente foi pra galera. Acompanhado de um "bando de loucos", o jogador pendurou-se no alambrado com os torcedores, fazendo com que o alambrado cedesse.

E aí não se falou em outra coisa durante toda a noite de domingo. O fenômeno entrou ao vivo no programa do Faustão, matéria e mais matérias nas trágicas mesas redondas de domingo foram uma prévia do que virá por aí na mídia.

Prepare-se! Se você é como eu, e gosta de diversificação nas notícias veículadas na imprensa, esta não será uma semana muito fácil. A imagem do gol de empate corinthiano será repetido até que você tenha decorado todo o trajeto da bola, a posição dos jogadores dentro da área, e, isso por todos os ângulos possíveis e imagináveis.

Nada contra o Ronaldo. Gosto muito do seu futebol, e suas duas superações para retornar ao futebol são exemplos de determinação para todas as pessoas, apesar de achar que a superexposição na mídia faz com que as pessoass achem que ele joga muito mais do que ele realmente joga. Sendo o maior artilheiro da história das copas, acredito que em 1998 e 2002 Rivaldo foi muito mais jogador que ele.

Bem, para os meus poucos leitores acho que tirei um pouco da amargura do texto. Mas nem tanto. Há quem goste de ler boas críticas.

Um comentário:

Marcelo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.