terça-feira, 12 de maio de 2009

Mais uma obra de Chico Buarque chega as telonas


Assim que terminei de ler o livro Budapeste, de Chico Buarque, no final de 2005, achei que aquela obra daria um belo filme. Pela forma que as palavras são colocadas no livro tem-se a impressão de ser uma leitura leve, mas ao terminar percebe-se de que a trama é muito mais complexa e genial.

Após, mais ou menos, quatro anos depois da minha leitura, Budapeste virou filme como eu desejava. O responsável de trazer as telas a obra de Chico Buarque é o diretor Walter Carvalho. O filme estreará no dia 22 nos cinemas e traz em seu elenco os atores Leonardo Medeiros, como o personagem principal José Costa, Giovanna Antonelli e Gabriela Hámori.

A história se passa quando José Costa se encanta pelo idioma húngaro em uma escala não planejada em Budapeste. Logo no início da trama, uma estátua quebrada de Lênin aparece em um barco deslizando pelo rio Danúbio. Começa então o encantamento do personagem com o idioma húngaro.

De volta ao Rio, o personagem leva sua vida de ghost writer, e após uma fase difícil com a mulher Vanda, ele retorna a Budapeste, onde encontra Kriska, com quem tem um relacionamento amoroso. Por fim, Costa acabará tentando se fixar em Budapeste com o nome de Zsoze Kósta.

Uma das curiosidades do filme é que a cena inicial foi gravada sem que os dois protagonistas se conhecessem, para manter a sensação de primeiro contato que existe no livro.

Espero que este segundo filme baseado em obras de Chico seja melhor que o primeiro. Benjamin não foi tão legal quanto o livro, mas tem uma ótima trilha sonora assinada por Arnaldo Antunes e apresentou ao Brasil a lindíssima Cléo Pires. Se filme Budapeste for metade do que foi o livro, já vale a pena ser assistido.

Para tentar ter uma idéia do filme, deixo vocês com a primeira frase do livro do mestre Chico Buarque.

“Devia ser proibido debochar de quem se aventura em língua estrangeira”. 

2 comentários:

Victor Mélo disse...

Parabéns mesmo. Gostei do seu blog e vou seguí-lo.

Um abraço,

Victor Mélo (www.jornalistavictor.blogspot.com)

Gildcley Mendes disse...

Obrigado Victor, apareça sempre!